sexta-feira, 7 de maio de 2010

mar, mar


Mar, mar
A perder de vista.
Amar, amar
É a eterna conquista.

Deixo-me ir.
Não sei se volto.
Nas ondas a sorrir,
Alienada, me solto.

Devagar, devagar
Chego ao infinito.
O sol a brilhar
Fica mais bonito.

O porto desapareceu,
Busco outro cais,
No limite do céu
Onde sei que vais.

Se aí chegar,
Venci a tempestade.
Saberei amar
Com toda a honestidade.

Ondulo, vagueio,
Divago na imensidão
Até perder o receio
Da tua paixão.

Mar, mar,
Azul, verde, real.
Amar, amar,
Dos destroços nasceu o coral.

Nenhum comentário:

Postar um comentário